Vacinação brasileira contra covid

Segundo o Ministério da Saúde, até 19/03 já foram distribuídas 25,6 milhões de doses contra covid as unidades da federação. Até o final de março mais 4,4 milhões de doses serão entregues, totalizando 30 milhões de doses. Assim, completaremos 15 milhões de pessoas vacinadas, entre elas o pessoal da saúde, os grupos de risco com sérias comorbidades e a maioria dos idosos com mais de 70 anos. A partir do final de março espera-se considerável redução nas internações deste grupo vulnerável.

Em abril está previsto a entrega de mais 48 milhões de doses que resultará em mais de 24 milhões de pessoas vacinadas. Nesta fase a maioria das pessoas com mais de 60 anos e o que sobrar dos grupos de risco estarão vacinados. Espera-se, desta forma, que as internações e a taxa de mortalidade entrem em forte declínio.

Analisando este cenário podemos perceber que a vacinação de março já vai nos trazer um forte impacto positivo. A vacinação de abril será decisiva para controlar a pandemia no Brasil. Teremos no total 39 milhões de pessoas vacinadas.

Em maio serão entregues mais 41 milhões de doses suficiente para vacinar 20,5 milhões de pessoas. Vários outros milhões de doses serão entregues mensalmente até completar mais de 562 milhões de doses em 2021.

A situação não estaria grave se houvesse por parte dos governos foco na proteção a grupos de riscos, efetiva aplicação dos recursos públicos na área da saúde, combinado com tratamento precoce aplicado logo nos primeiros sintomas, antes do agravamento da enfermidade. Muitos médicos já o fazem. Mas precisamos de muito mais. Ainda existe forte resistência, mesmo com as inúmeras evidências já publicadas em revistas científicas e testadas na prática de que diversos medicamentos off label apresentam resultados excelentes na redução da carga viral. Por que tanta resistência?

O que também pode atrapalhar a resolução da crise é a absurda politização da enfermidade por parte da extrema esquerda, combinada com quarentenas radicais que fecham empresas e desempregam aos milhões. Pessoas desesperadas, endividadas, esfomeadas e aglomeradas em casa se tornam presas fáceis de crimes e doenças contribuindo para o agravamento da crise.

Raimundo Oliveira

Cientista Social

Sobre Oliveira

I'm a Social Scientist interested to study and provide analysis of global relevant issues. I'm bachelor in Social Sciences at Federal Fluminense University, and also earned Logistics degree from Paulista University and postgraduate in Business Management at INPG / Castelo Branco University, Brazil. For professional contact send an email to rrsoliveira@hotmail.com
Esse post foi publicado em Opinião e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma réplica

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s