Uma Breve História das Revoluções

A Seguir mais um brilhante texto de Roberto Motta publicado no Twitter em 16/04/2022.

Partidos comunistas e socialistas trabalham pela implantação do socialismo e do comunismo, que são dois nomes para a mesma ideologia nefasta. Essa é a essência da esquerda.

O termo esquerda vem das posições em que se sentavam os grupos políticos nas reuniões dos Estados Gerais na França, em 1789.

Quem era a favor do Rei no poder sentava-se à direita. Quem era a favor da mudança – da revolução – sentava-se à esquerda.

Vem daí a associação da expressão esquerda com mudança e revolução. Mas mudanças nem sempre são para melhor.

O maior exemplo vem da própria Revolução Francesa, que começou com Liberdade, Igualdade e Fraternidade e terminou em uma matança generalizada.

A revolução cortou os pescoços dos seus próprios filhos. Isso SEMPRE acontece nas revoluções de esquerda.

Falemos de revoluções. A mais antiga talvez tenha sido a que gerou a Magna Carta, na Inglaterra.

Não foi propriamente uma revolução; um grupo de senhores feudais produziu um documento limitando o poder do rei.

Não houve sangue e nem rolar de cabeças, mas criaram-se as bases de sociedades livres e modernas.

Alguns anos depois aconteceu a Guerra Civil Inglesa, na qual as forças do Parlamento lutaram contra as forças do Rei. O Rei foi derrotado e decapitado, e Oliver Cromwell foi proclamado lorde protetor.

Mas a República inglesa durou pouco, e foi seguida pela restauração da Monarquia e, alguns anos depois pela Revolução Gloriosa em 1688, que consolidou o Parlamento como principal força política.

Talvez a revolução mais importante da história tenha sido a Revolução Americana.

As 13 colônias inglesas da América do Norte, depois de protestar durante anos contra as medidas restritivas da liberdade e o aumento de impostos, resolveram se libertar da Inglaterra.

A declaração de independência americana, escrita em 1776, inspirou e ainda inspira o sonho de liberdade ao redor do mundo. Russel Kirk diz que ele é o documento conservador mais bem-sucedido da história da humanidade.

A próxima revolução na nossa lista é a Revolução Russa de 1917.

Marx previu que o comunismo eclodiria nos países industrializados, como consequência da exploração do sistema capitalista e do empobrecimento dos trabalhadores.

Mas a revolução explodiu na Rússia, um país atrasado e agrário, como consequência do regime tirânico dos Czares e das atividades revolucionárias de ativistas como Lenin, auxiliados por outros países.

Lenin estava exilado em Paris e foi levado de volta à Rússia em um vagão de trem blindado fornecido pela Alemanha. A Europa estava no meio da Primeira Guerra Mundial, e interessava à Alemanha que a Rússia se retirasse do conflito. Por isso a Alemanha ajudou Lênin.

Que erro monstruoso. A tirania dos Czares foi substituída pela tirania vermelha, e o mundo nunca mais foi o mesmo.

A próxima revolução foi a Chinesa. O comunista Mao Tsé-Tung conquistou o poder em 1949, após derrotar os nacionalistas liderados por Chiang Kai-Check.

Chiang Kai-Check também não era flor que se cheire; era um líder com tendências autoritárias, que acabou fugindo com suas tropas para Taiwan, onde criou um regime baseado em repressão política.

Até hoje, no mundo inteiro, o comunismo significou terror, opressão, morte e destruição para milhões de pessoas. O comunismo não foi, como Marx previa, implantado nos países desenvolvidos, mas sim em países atrasados econômica e politicamente. E SEMPRE fracassou.

Esse fracasso foi o resultado das contradições de um sistema que pregava a igualdade e a solidariedade, mas que sempre criou uma pequena casta que vivia vida de luxo e poder enquanto a maioria permanecia escravizada, ignorante e faminta.

O economista húngaro Janos Kornai diz que a pobreza, a grande desigualdade, a opressão brutal e a guerra seguidos por uma profunda crise na sociedade, é que provocam a revolução e permitem aos comunistas chegar ao poder.

“O fato histórico é que nenhum sistema socialista jamais foi colocado no poder por forças internas, em qualquer país capitalista desenvolvido”, diz Janos Kornai (1). Em outras palavras: nenhum povo jamais escolheu o comunismo. Ele sempre foi imposto.

Depois das revoluções comunistas nada muda. Diz Janos: “fica claro que o socialismo não tem nenhuma superioridade sobre o sistema capitalista em tornar realidade valores como igualdade e solidariedade”.

E acrescenta: “em relação a outros valores fundamentais, como bem-estar social, eficiência e liberdade, o sistema socialista não chega nem perto das realizações dos sistemas capitalistas modernos e desenvolvidos”.

Comunismo e socialismo são fraudes intelectuais, que só chegam ao poder – e se mantém lá – através de mentiras, opressão e tirania. E isso precisa ser denunciado, e explicado, todos os dias. Roberto Motta.

(1) Kornai, Janos. The Socialist System, Princeton University Press, 1992, p.28

Sobre Raimundo Oliveira

I'm a Social Scientist interested to study and provide analysis of global relevant issues. For professional contact send an email to rrsoliveira@hotmail.com
Esse post foi publicado em História e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma réplica

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s